Traz o teu copo também.

copos

Convida-mo-vos a que venham ao Festival e tragam o vosso próprio copo. Esta será uma forma de evitarmos o desperdício.

Nota: As bebidas à venda no festival terão um custo e dosagem definidos em precário.

Luís Galrito – Dia 8 de junho

galrito

Letrista, compositor, e intérprete das suas canções, nota-se em Luís Galrito uma genuína vertente de trovador, um saudável misto das raízes alentejanas, de onde é oriundo, e das referências urbanas mais modernas. Há uma intervenção despretensiosa e natural nos seus temas, aliada a uma visão algo romântica que renasce continuadamente nos seus textos e se revive de uma voz, com um timbre bem peculiar, e uma guitarra mano a mano. Foi em 1996 que registou seu primeiro trabalho discográfico intitulado Véu Vermelho, um álbum temático, filosófico, surrealista e introspetivo, com influências do pop-rock progressivo ao estilo de bandas lendárias como Pink Floyd e outros.

Em 2002 grava Matura Inculta, novo disco de originais com uma sonoridade mais orgânica e crua, revelando referências marcantes da música portuguesa, tais como Jorge Palma, Sérgio Godinho e bandas de sempre do pop-rock nacional, casos dos UHF e Xutos & Pontapés. Dois anos depois regista novas versões promocionais, com novos arranjos, de alguns temas marcantes dos seus anteriores discos. Este trabalho conta com a colaboração e produção de Kalú, baterista do Xutos e Pontapés.

Já em 2005 inicia um ciclo de diversos espetáculos de tributo a grandes cantautores portugueses, onde se destaca a sua homenagem a Zeca Afonso e a outros cantores ligados à Revolução do 25 de abril, a qual tem levado a vários pontos do país e do estrangeiro, e tem recebido as melhores críticas da imprensa, do público e também de algumas personalidades próximas do cantautor, bem como de membros da Associação José Afonso.

Quero Ser Humano é o novo disco que lança em 2010 e que contou com a produção do reconhecido Luís Jardim. Em 2015 edita o seu álbum de tributo a Zeca Afonso, denominado Seja bem-vindo quem vier por bem. Participa ainda, mais recentemente, com João Afonso (sobrinho do cantautor) e o coletivo “O Barco do Diabo” (Rogério Pires, Paulo Machado, Sónia Pereira e João Espada), num projeto inédito denominado “O Sul de José Afonso”, que, num formato audiovisual, revisita as vivências e geografias pessoais, afetivas e musicais de Zeca no sul do país. “Grafonola Voadora”, um dueto artístico com João Espada, é o seu mais novo projeto, assente numa performance-concerto interdisciplinar e intimista que opera um diálogo criativo entre imagem, música, palavra e espaço envolvente, a qual conta com convidados especiais nas suas apresentações ao vivo, como Napoleão Mira ou João Frade.

Menino do Sonho Pintado” é o novo disco de originais de Luís Galrito. Participam neste trabalho vários convidados, onde se destacam Dino D’SantiagoJoão AfonsoReflect e Napoleão Mira, contando ainda com a colaboração nos arranjos de João Nunes, Gabriel Costa e Luís Melgueira.

À sonoridade deste álbum não são alheias as incontornáveis influências dos cantautores portugueses, das raízes folk do Alentejo e de outras sonoridades de matriz tradicional (ou não) de diversas zonas do país e do mundo. O título do disco é retirado de uma das canções que fala sobre as crianças vítimas de violência em cenários de guerra, relembrando aqui também a atualíssima questão dos refugiados e outros contextos preocupantes. Ao mesmo tempo, o título evoca um desenho que Luís Galrito fez na infância e que o marcou profundamente pela carga simbólica do mesmo (ativismo pela paz); e não deixa de ser um reflexo dos momentos de cumplicidade que passa no seu dia-a-dia desenhando com a sua filha Eva.

A expressão que dá nome ao novo disco de Galrito reflete assim o conceito, a mensagem visível em várias canções deste trabalho discográfico: a vontade de esboçar o sonho na pureza de uma criança, o desejo de mudança, o querer apagar um céu riscado de tintas de medo e afins, e de desenhar cores de harmonia, paz e amor. A fase de composição deste novo disco coincidiu também com a experiência de ser pai pela primeira vez, sendo que alguns dos seus temas, como “Filhos” ou “Balada para o meu Amor”, espelham esta nova e bonita fase da sua vida.

 

Parapent e 700 – Dia 7 de junho

parapente-02-700

O duo Parapente700 estreia-se nas Festas de Lisboa, em Junho de 2012 pelas ruas da Mouraria. Com distintos formatos, já pisaram os palcos dos festivais: Folkarria (Madrid, Espanha), Planície Mediterrânica (Castro Verde), Festiv’Alzen (Alzen, França), FrisseFolk (Bruxelas, Bélgica), Danças na Água (Celorico da Beira), Fora do Lugar (Idanha-a-Nova), Fest-i-Ball (Lisboa), Dançarilhas (São Miguel, Açores), Big Bang (CCB, Lisboa), Crisol de Cuerda (Burgos, Espanha), Venezia Balla (Itália), CaDansa (Holanda), entre outros.

Dois concertos e bailes no festival:

dia 7 pelas 22h30 no parque do palácio da galeria

dia 8 pelas 23h30 no clube de Tavira

Fol&ar – Dia 8 de junho

folear

Os fol&ar nasceram em 2006, fruto de um conjunto de felizes circunstâncias que apresentaram duas concertinas, um violino e um contrabaixo a quatro músicos apaixonados pela música e dança tradicionais. Neste conerto/baile o leque de instrumentos alarga-se com a harpa, a sanfona, o banjo e o uluzi. Da alegria do “Malhão da Graça” ao flutuar cúmplice da mazurca “21 gramas”, esta vai ser uma oportunidade única de dançar os seus temas originais inspirados em danças de toda a Europa. Um encontro com os fol&ar é mais do que um baile: é uma celebração intimista que nasce da cumplicidade e conexão dos músicos em palco e se estende à pista num constante e irresistível convite à dança.

Zé Francisco e Johan Zilverzurf – Dia 8 de junho

zé e zurf 2

Zé Francisco  e Johan Zilverzurf conheceram-se no final dos anos 80 e desde então têm tocado e produzido trabalho juntos.
No mês de março de 2019 celebraram 30 anos de amizade e trabalho conjunto.
Zé Francisco fez parte de um movimento  de músicos do Algarve juntamente com Sérgio Mestre,  Telmo Marroquino,  Janaca, Tó Viegas,  Viviane , entre outros,  os quais mantiveram a música de intervenção portuguesa viva  assim como nomes relevantes a ela ligados destacando-se Zeca Afonso, mantiveram viva também a música tradicional portuguesa misturando diferentes géneros e ritmos nomeadamente africanos,  jazz entre outros.
Zé Francisco formou o grupo Mare Nostrum no final dos anos 90.

Johan Zachrisson,  nome artístico Zilverzurf, veio para Portugal no final dos anos 80 tendo deixado já no seu país de origem, Suécia,  um estatuto de artista conceituado e gravou 9 albuns a solo. Em 1992 gravou o álbum “Ritmo de Estorninhos” e Zé Francisco colaborou no mesmo nalguns dos temas.  Este álbum foi um sucesso tendo sido um dos 15 top albuns no European World Music Chart em 1992.
Johan and Zé Francisco fizeram duas tournées na Suécia.  Numa primeira com um grupo de músicos portugueses incluindo Sérgio Mestre e uma segunda com o grupo Mare Nostrum .

Em 2013 Johan gravou e produziu o primeiro album a solo de Zé Francisco “Caminho de Mar e Luz”.
Em 2016 gravou também e co-produziu o album “Flor de Sal” com Zé Francisco e Ana Figueiras.

Neste concerto Zé Francisco e Johan Zilverzurf tocarão alguns temas do album “Ritmo de Estorninhos ” e temas do seu mais recente trabalho uma mistura de músicas tradicionais portuguesas e outros temas originais da autoria de ambos.

Serão convidados para este concerto outros músicos para as teclas, baixo e percussão que completarão a sua performance das suas guitarras,  bandolins e vozes.

Zé Francisco – acoustic guitar, mandolin, vocals
Johan Zilverzurf – electric & acoustic guitar, vocals
Pedro Calquinha – keyboards, vocals
Pedro Parreira – bass, vocals
Vasco Fialho – drums, vocals

Música com papás – dia 8 de junho 2019, castelo de Tavira

tiago regoTiago Rêgo – percussionista

Instrumentos usados: guitarra, cajon, darbuka e outros instrumentos de percussão. 

As sessões musicais para bebés e crianças constituem uma oportunidade única e valiosa no qual estes têm a oportunidade de experimentar um pensamento e vocabulário musical que facilitará todas as experiências musicais posteriores (quer como apreciadores de música, quer como cantores, instrumentistas ou como ouvintes).

Serão realizadas duas sessões:

10h00 Para crianças dos 0 aos 2 anos

10h35 Para crianças dos 3 aos 5 anos

Entrada gratuita limitada aos lugares disponiveis.

Inscrição prévia obrigatória: rockdabaixamar@gmail.com

Inscrições