Serginho © Cristina Bernardo 1995
Serginho
© Cristina Bernardo 1995
Serginho no Verão de 2003  © Família de Sérgio Mestre
Serginho no Verão de 2003
© Família de Sérgio Mestre

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Sérgio Martinho Mestre nasce em Moçambique a 24 de Agosto de 1953. Vem para Tavira, com os seus pais, no ano de 1956, tornando-se o que ele próprio chamava “um filho da terra” e assumindo-se como algarvio de gema sem que com isso fizesse qualquer defesa bairrista ou regional não saudável. Aos 14 anos o pai oferece-lhe a primeira guitarra e de uma forma autodidacta vai aprendendo música até encontrar Telmo Palma. É com este músico que aprende, estuda e se torna profissional.

Desde sempre defensor do pacifismo, parte para a Holanda, em 1973, autoexilando-se  para não tomar parte da guerra colonial portuguesa. A partir desse centro conhece os países circundantes tendo contacto e aprendendo com variados músicos de diversos quadrantes, desde o Clássico ao Jazz, tornando-se ele próprio um músico polivalente, de bases sólidas e multi-instrumentista (guitarras várias, saxofone e flauta transversa).

Regressa a Portugal em 1974, pouco tempo antes da Revolução. Nos tempos seguintes, na altura denominada “PREC” (Período Revolucionário Em Curso) corre o país no projecto cultural que um grande grupo de artistas de todas as áreas culturais promoveu não só nos centros urbanos mas também no chamado “Portugal profundo”. Nesse projecto foi músico fixo das bandas de Adriano Correia de Oliveira e José Afonso até aos seus desaparecimentos. Com eles, para além do território nacional, apresenta a música portuguesa destes autores e outros por algumas ex-colónias como Angola, Moçambique, Cabo-Verde, Macau e Goa. Alemanha e Brasil fazem também parte deste percurso. Pontualmente colabora, nessa altura, com outros músicos- Vitorino, Pedro Barroso, Fausto ou Janita Salomé. Mais tarde há-de integrar os projectos destes autores, ou de raiz, como foi o caso da “Lua Extravagante”. Durante alguns anos faz parte dos projectos da Brigada Vitor Jara e Vitorino. As tournées com todas estas bandas fazem-no viajar por todos os continentes à excepção da Oceania.

Seria fastidioso enumerar todos os autores e músicos com quem Sérgio Martinho Mestre colaborou ao longo da sua vida ou as paragens por onde andou. No entanto, destacamos ainda a sua colaboração, nos Açores, com Miguel e Vera Quintanilha, onde faz parte integrante das bandas Rosa-dos-ventos,e com José Medeiros, contactando com um grande número de músicos deste arquipélago. Com os grupos açorianos leva a nossa música a países como Estados Unidos, Canadá ou Brasil.

Merece ainda destaque, na sua vida profissional, a ajuda efectiva na montagem ou apoio que deu a autores ou grupos no início das suas carreiras públicas, estruturando projectos, passando conhecimento técnico, procurando formas, dando apoio. Mare Nostrum, Entre Aspas, Filipa Pais ou João Afonso são nomes que estiveram indubitavelmente ligados a Sérgio Martinho Mestre.

Nos últimos anos da sua vida integra a banda Coro dos Tribunais onde interpreta o repertório que melhor sabia e que mais lhe dizia, o de José Afonso. Nesta banda tem ocasião de convidar outros artistas e amigos que há tanto tempo o acompanhavam.

Paralelamente começa a desenvolver algum trabalho a nível de promoção de espectáculos na sua cidade de Tavira.

No dia 3 de Outubro de 2003 Sérgio Martinho Mestre quase conseguiu aquilo que tantas vezes disse: “eu quero morrer em palco”. Sente-se mal a meio de um espectáculo em Lisboa, termina-o e acaba por falecer de madrugada no hospital com um acidente cardíaco.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s